Looking for Alaska é o terceiro romance de John Green a ganhar uma adaptação. Desde 2005, Josh Schwartz, criador de séries como Gossip Girl: A Garota do Blog e O.C.: Um Estranho no Paraíso, tinha interesse em trazer a obra de John Green para as telas. Uma tentativa de transformar a obra foi feita, naquele mesmo ano, mas acabou sendo engavetada. Dez anos depois, após a estreia de A Culpa é das Estrelas e Cidades de Papel, rumores na mídia apontavam que Quem é Você Alaska? (título oficial do livro no brasil) finalmente iria chegar às telonas, mas novamente, o projeto foi recusado e engavetado por diversos estúdios.

A história parecia que ia tomar outro rumo quando John Green anunciou que o estúdio Paramount havia adquirido os direitos para adaptar a obra, porém o projeto foi novamente descartado. As coisas só começaram a engatinhar quando, em maio de 2018, o serviço de streaming HULU fechou um acordo com Josh Schwartz e John Green para que a obra fosse adaptada, mas nesse caso não como um filme, mas sim como uma mini-série de oito episódios. Josh Schwartz assumiu o posto de produtor executivo e showrunner da produção, ao lado de John Green, Jessica Tuchinsky, Mark Waters, Marty Bowen e Isaac Klausner e Stephanie Savage que também atuam como produtores executivos.

Na trama, Miles Halter é um jovem obcecado em ler biografias e memorizar as últimas palavras ditas por pessoas famosas. Cansado da monotonia da vida em casa, o jovem resolve se aventurar em uma nova escola — naquela que é uma mistura de internato com programa de verão escolar. A mesmice de Miles começa a ser mudada quando a ousada Alaska Youg aparece em sua vida.

A decisão acertada de transformar o romance de John Green em uma mini-série, ao invés de criar um filme ou uma série contínua, parece ter sido crucial para que todos os aspectos da trama principal e as subtramas dos personagens pudessem ter chance de receber atenção e cuidado, formando uma história com início, meio e fim.

A inclusão de um elenco recheado de nomes pouco conhecidos (com exceções, é claro), mas que cativam o espectador e se encaixam perfeitamente na pele dos personagens que imaginamos ao ler o livro, torna toda a história ainda mais empolgante e emocionante.

Looking for Alaska não é uma adaptação direta do livro, a produção tomou a liberdade para alterar alguns aspectos da história e adicionar novos elementos, para tornar os assuntos abordados mais atuais e garantir que diversas lições morais pudessem ser abordadas ao longo dos oito episódios. No entanto o livro ainda continua sendo essencial para esta adaptação, e uma prova disso são as inúmeras falas e citações que vemos na série e que também estão no livro.

O cuidado de todos os envolvidos nesta produção é claro em todos os detalhes da série, desde a introdução, à fotografia, e às locações e aos elementos de cena. Com uma produção tão bem coordenada, e os elementos e personagens tão bem trabalhados e as canções bem inseridas nas cenas em conjunto com o roteiro que foge do livro em alguns momentos — para melhor —, fazem um conjunto que garante ao espectador uma viagem de 8 horas à um dos mundos criados por John Green. Viagem essa, que te fará rir, chorar, ou ficar zangado com alguns acontecimentos, mas que lhe irá garantir uma ótima experiência, seja você um fã das obras de John Green ou não.

Looking for Alaska acaba sendo uma produção que cativa através de todos os seus elementos, possui uma trama descomplicada e empolgante e que é capaz de nos fazer questionar sobre algumas questões, lições e, acima de tudo, nos mostrar o que é o amor em todas as suas formas e a sua capacidade de transcender de níveis que poucos vivenciaram.

Se você é daqueles que gostou da trama e os assuntos abordados na primeira temporada de Os Treze Porquês, certamente se vai se identificar com a trama e os dilemas de algum dos personagens de Looking for Alaska.

4.0

de 5

Comentários