Crítica | Modo Avião

Em, Modo Avião, o mais recente longa estrelado por Larissa Manoela, e produzido pela Netflix, Ana (Larissa Manoela) é uma digital influencer de sucesso que compartilha praticamente tudo com seus fãs, incluindo as batidas de carro, que são causadas exatamente por esse apego em excesso ao celular. Porém, após um acidente mais grave, os pais de Ana resolvem proibir de vez o acesso dela ao celular e a enviam para passar um tempo com seu avô no interior.

Quando Ana se encontra sem conexão wi-fi e no meio do nada, o único jeito é descobrir como a vida pode ser fora do mundo virtual, onde as coisas importantes são olhares, sorrisos, histórias e principalmente aproveitar o momento, diferentemente das redes sociais onde tudo gira em torno de likes, seguidores e o que as pessoas pensam de você.

Cena do filme “Modo Avião”/Divulgação

Passando por alguns perrengues da vida pacata, reclamando e descobrindo quem é de verdade, nossa protagonista se revela mais do que uma mocinha de comédia romântica, e devemos isso a Larissa Manoela, já que o roteiro realmente tende ao clichê.

Tudo corre bem ao decorrer do longa, porém no desfecho a trama se tornou superficial em alguns pontos e isso acaba fazendo com que você se desconecte da história.

Então, apesar da proposta ser muito boa, a trama se perde em alguns momentos. Mas claro, temos diversos trechos muito bons e emocionantes, com atores incríveis, não dá para se arrepender de assistir. Além do mais, lembrar como a vida pode ser boa no modo avião é essencial.

3.5

DE 5

Janaína Flores

Aspirante a nerd, um gosto um tanto peculiar e escritora nas horas vagas.

Artigos relacionados

Comentários