Resenha | A Queda — Guillermo Del Toro, Chuck Hogan

O aclamado diretor de cinema Guillermo Del Toro e o escritor Chuck Hogan, deram sequência à Trilogia da Escuridão, iniciada em Noturno, com o segundo livro chamado A Queda, que expande o mundo dos vampiros que conhecemos na primeira etapa desta história.

Com um ritmo lento, a construção de mundo pós-apocaliptístico que é especulado muito pelos acontecimentos do primeiro livro, avança muito devagar, mas, isso não é uma coisa ruim. No livro continuamos acompanhando a história do epidemiologista Ephraim Goodweather, sua colega Nora, o exterminador de pragas Vasily e o velho professor Abraham Setrakian, que tentam frear os avanços vampíricos que estão prestes a destruir o planeta. No entanto, os governos desacreditam da hipótese de haver uma pandemia, descartando as necessidades de lockdown e isolamentos, como o cientista da história solicita — Ainda bem que é ficção, né!?

Assim como no primeiro livro, as coisas são construídas detalhadamente, mostrando pouco a pouco como uma coisa leva à outra. Desse modo, há tempo de mostrar tudo o que precisa, sem deixar de seguir o foco principal em poucas páginas. Os autores precisavam mostrar os planos dos vilões, os objetivos dos protagonistas e ainda mostrar os efeitos que os avanços da “pandemia” dos vampiros traziam ao mundo.

Dessa forma, os autores usam de várias subtramas com personagens que só aparecem para mostrar como as pessoas estavam reagindo, o que diminui o ritmo, mas aumenta a construção de mundo. Porém, essas inúmeras subtramas podem cansar um pouco o leitor, por tantas vezes ter que sair do mistério que a trama principal está desenrolando.

A Queda é um livro assustadoramente real hoje, e nós que estamos passando por uma pandemia podemos confirmar, mesmo que se trate de uma ficção de vampiros, os acontecimentos convêm muito como as pessoas reagem em momentos como esses: com negaciosismo, seguido de pânico e mortes. Os monstros, são assustadores também, uma nova versão de vampiro que deveriam ser usadas mais vezes na cultura pop. Além disso, a história é bastante instigante, com personagens interessantes e muitos conceitos científicos que tornam os contextos mais reais. Há reviravoltas e momentos emocionantes que marcam o decorrer da trama.

O livro expande a mitologia vampiresca imposta no primeiro volume e, embora não seja tão bom quanto a primeira parte, continua mantendo um nível altíssimo de qualidade trazendo curiosidade e expectativa para ler o terceiro e ultimo livro da trilogia.

Leonardo Vieira
Fã de quadrinhos e cinema, futuro jornalista e amante de robôs gigantes!