Resenha | Conto: Berenice — Edgar Allan Poe

Sinopse: Egeu se apaixona por sua prima Berenice, que sofre com uma enfermidade desconhecida. O homem tende a se fascinar com objetos e logo desenvolve uma obsessão com dentes, a única parte saudável do corpo de Berenice.

Denso, obscuro e simples. Assim podemos definir esta obra de Poe. Repleto de elementos que invocam a dualidade, a comparação — entre a vida e a morte, o antes e depois —, Edgar Allan Poe escreve um conto magnífico em que as poucas páginas fixam-se em nossa mente.

Egeu é um firme adepto da meditação. Passa horas a fio refletindo sobre os objetos e permite que sua mente vagueie por memórias. De fato, o homem acostumou-se a tornar o mundo real como algo secundário e seus pensamentos o mundo primário.

As realidades do mundo me afetavam como visões, e somente como visões, enquanto que as loucas idéias da terra dos sonhos tornavam-se, por sua vez, não o estofo de minha existência cotidiana, na realidade, a minha absoluta e única existência.”

Só esse fator nos faz questionar se Egeu é um narrador confiável. Toda a adoração com que ele descreve a aparência anterior de sua prima — e a descrição hórrida dos dias atuais —, levanta suspeitas quanto a veracidade dos acontecimentos. Ainda mais quando descobrimos o desfecho da história.

Fascinado pela escuridão, e com as lamúrias pelo pedido de casamento ‘antecipado’, é fácil contestar se o protagonista realmente ama a mulher pelo que é ou pela casca de quem se tornou.

E agora.. . agora eu estremecia na sua presença e empalidecia ao vê-la aproximar-se; contudo, lamentando amargamente sua deplorável decadência, lembrei-me de

que ela me havia amado muito tempo, e, num momento fatal, falei-lhe em casamento”


Ele a ama pelo que costumava ser? Pelo que agora é? Por pena? Por compaixão? Ele sequer a ama?

Berenice é um conto que nos faz refletir sobre até onde somos capazes de ir quando se trata de preservar nossas lembranças.

Se gostou desse artigo, clique aqui para adquirir o livro que contém diversos contos do mesmo escritor, na versão impressa ou e-book na Amazon

5.0

DE 5

Eduarda Suily
Bookaholic, estudante de jornalismo, amante de idiomas e cultura. Gosta de ler livros e criticar. E de ler história nos tempos livres. E, no CN42 escreve sobre isso.
ajax-loader