Resenha | Hans Christian Andersen — Maria Isabel Sánchez Vegara

Quando eu era criança, lembro de ir à biblioteca pegar livros infantis, que eram considerados chatos por outras crianças da minha idade. O que eu mais gostava era da narrativa simples, mas que sempre acabava com um final feliz e uma boa mensagem. 

Ler Hans Christian Andersen me fez lembrar desses dias e, por isso, foi inevitável não escrever sobre.

Todos adoram contos de fadas, mas são poucos que sabem a origem deles, ou conhece quem os criou, e a obra consegue contar a história de um dos melhores contadores de histórias de uma forma simples e poética. 

Sem dar muitos spoilers, o livro narra de maneira romântica a jornada da infância de Hans até os dias em que ele se torna o autor das histórias que amamos, como A Pequena Sereia e O Patinho Feio.

É muito legal como a autora conseguiu nos apresentar uma biografia de alguém famoso como um personagem comum, e mostrar sua importância de outro jeito, sem ser pelo impacto de suas ações, mas pela sua essência. Se você está com medo de não entender nada devido ao inglês, não se preocupe! A linguagem é bem simples e do dia a dia, e super indicada para aqueles que estão buscando estudar o idioma ou que só querem construir vocabulário.

É preciso elogiar as ilustrações incríveis que permearam todas as páginas, colorindo e dando vida a todas as situações escritas. As cores e os traços não deixaram a desejar, e passamos um tempo analisando as imagens antes de virar para a próxima página. 

Com poucas linhas, o livro curtinho cumpre seu propósito, e nos faz relembrar da infância e das lições que valem até hoje, mas que nós esquecemos de ouvir.

By never hiding his feelings and letting his imagination fly, Hans got what he had longed for: being loved.

Tradução: Por nunca ter escondido seus sentimentos e ter deixado sua imaginação voar, Hans conseguiu o que ele esperava a tanto tempo: ser amado.

Parabéns para a editora Frances Lincoln Children’s Books por unir o mundo dos contos de fadas ao da vida real.

Eduarda Suily
Bookaholic, estudante de jornalismo, amante de idiomas e cultura. Gosta de ler livros e criticar. E de ler história nos tempos livres. E, no CN42 escreve sobre isso.