Com filmes que rendem bilhões de bilheteria sendo lançados todos anos, já é um pouco clichê afirmar que vivemos na era dos heróis no cinema. Porém, os inúmeros lançamentos estão tornando cada vez mais desgastantes filmes neste gênero, que usam quase sempre a mesma fórmula para desenvolver as tramas. E, recentemente M. Night Shyamalan, surpreendeu o público ao anunciar seu próprio universo de heróis no cinema, este que tenta ser muito mais realistas que os grandes lançamentos da Marvel ou DC.

Corpo Fechado

Em 2000 estreia Corpo Fechado, que foca na narrativa clássica de toda boa história em quadrinhos: o nascimento de um herói e seu nêmesis. David Dunn (Bruce Willis) é o único sobrevivente de um terrível acidente de trem, onde saiu ileso sem quebrar nenhum osso sequer. Dunn, conhece Ellijah (Samuel L. Jackson), um colecionador de quadrinhos que possuí uma rara doença nos ossos, que o fazem ser facilmente quebrado.

Por conta de suas condições, Ellijah acredita que existe alguém no mundo que seja o seu oposto, e que super-heróis são reais. Ao conhecer David, descobre que esteve certo sobre sua teoria, pois David além de ter o corpo inquebrável, possuí super força, tem visões ao tocar pessoas e sua maior fraqueza é a água.

Shyamalan, muito antes de Batman Begins (2005), já havia feito filme de super-heróis com uma atmosfera mais sombria com o lançamento de Corpo Fechado.

Fragmentado

No ano de 2017, a continuação do universo de Shyamalan chegou com Fragmentado. Com um pouco mais de suspense, a sequência de Corpo Fechado conta a história de Kevin (James McAvoy), um homem que possui 23 personalidades diferentes dentro de si, e consegue alterná-las com a força do pensamento. Estas 23 personalidades, procuram por pessoas impuras para servirem de refeição de uma 24° personalidade, “A Besta”. No filme, ele sequestra três garotas, que são mantidas em cativeiros e conhecem as diferentes facetas do vilão, e precisam encontrar algum meio de fugir.

O interessante é que em momento algum o filme foi vendido como uma continuação de Corpo Fechado, que alegrou os fãs do primeiro filme, com uma última cena onde o David Dunn aparece assistindo o noticiário sobre os acontecimentos de Fragmentado, estabelecendo um universo compartilhado entre os filmes, e levando os fãs a inúmeras teorias.

Vidro

A conclusão das duas primeiras etapas do universo compartilhado de Shyamalan, chegou no ano de 2019 com o filme Vidro, onde os personagens acabam se conectando, quando David Dunn passa a procurar por Kevin, que vem causando sequestros e assassinatos constantes na região.

Quando o embate entre os dois acontece, uma organização privada os imobiliza, levando-os a um manicômio para serem estudados. Além dos dois, Ellijah (Samuel L. Jackson), também conhecido com Senhor Vidro, também é levado.

Com muitas reviravoltas, Vidro tem uma trama muito mais cartunesca que seus filmes anteriores, sem perder o foco e o ritmo dos filmes anteriores, mantendo vivo o drama real de personagens mais superpoderosos, porém ainda muito humanizados.

Neste mundo os superpoderes se manifestam através de traumas psicológicos, Shyamalan consegue brincar nos roteiros com dramatizações reais do cotidiano, ao mesmo tempo que remete tudo o que precisa para fazer uma história em quadrinhos. As vezes mais do que muitas adaptações lançadas até aqui. Ainda que com alguns tropeços, este é um universo que merece reconhecimento, pela complexidade de seus personagens e as ótimas ideias que podem surgir em futuras produções.

2 COMENTÁRIOS

Comentários